Hífen

De Manual de Redação - FUNAG

(Acordo Ortogràfico da Língua Portuguesa; VOLP; Manual de redação oficial e diplomática do Itamaraty; Manual de comunicação da Secom do Senado Federal; Manual editorial do Ipea)



As sucessivas reformas ortográficas e, sobretudo, o uso da língua portuguesa tem evidenciado uma tendência contínua à diminuição do emprego do hífen, com seu uso se restringindo a compostos eventuais (“encontrei-os”, “ser-me-á”, “Acordo MERCOSUL-União Europeia”, “eixo Brasília-Lisboa”, “anti-ISIS”, etc.).

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, obrigatório no Brasil desde 1º de janeiro de 2016, determina que, “nas locuções de qualquer tipo, sejam elas substantivas, adjetivas, pronominais, adverbiais, prepositivas ou conjuncionais, não se emprega em geral o hífen”.


Não usar hífen



Não devem ser usados hífens, por exemplo, nos nomes (por extenso) dos números (seiscentos e vinte e um mil, oitocentos e vinte e dois; décimo terceiro; tricentésimo vigésimo primeiro; um quarto; dois quintos; um e meio).

Tampouco devem levar hifens, entre outras, as seguintes expressões ou locuções: acordo de livre comércio, aeroespacial, afrodescendente, agroindústria, agropecuária, ajudante de ordens, almirante de esquadra, alto comissariado, alto representante, anglofalante, anglomania, ano novo, anteontem, antiaéreo, antimíssil, antirreligioso, antissocial, à parte (locução adverbial, que se distingue do substantivo aparte), assembleia geral (exceção à regra das expressões com "geral", que levam hífen), à toa, autoestrada, autorregulação, à vontade, boa sorte, bom dia, bom senso, boa tarde, boa noite, bom senso, bons ofícios, brigadeiro do ar, caixa eletrônico, caixa postal, capitão de fragata, capitão de mar e guerra, carta credencial, carta revogatória, carta rogatória, cidade sede, circular telegráfica, coautor, coerdeiro, cogestão, conta corrente, contracheque, contraindicação, contraofensiva, contrassenha, coobrigação, cooperação, coordenar, copatrocinar, copatrocínio, correio eletrônico, despacho telegráfico, dia a dia, dona de casa, encarregado de negócios, Estado membro, Estados membros, Estado parte, Estados partes, estadunidense (preferível a "estado-unidense", forma também admitida pelo VOLP), eurocentrismo, eurodeputado, extraoficial, extraoficialmente, extrarregional, extrema direita, extrema esquerda, febre amarela, fim de século, fim de semana, general de brigada, general de divisão, general de exército, greve geral, homem bomba, hora extra, horas extras, infantojuvenil, infraestrutura, intrarregional (mas inter-regional), intranacional, limpeza geral, livre comércio, livre mercado, lua de mel, lusofonia, malgrado, malvisto, mandachuva, mandato tampão, meia(s) palavra(s), membros não permanentes, microempresa, mão de obra, multissetorial, não agressão, não alinhado, não beligerante, não combatente, não discriminação, não fumante, não governamental, não ingerência, não intervenção, não permanente, não proliferação, não violência, neoidealismo, neoimprerialismo, neoliberalismo, neorrealismo, organização não governamental, papel ofício, paraquedas, paraquedismo, paraquedista, passatempo, plurianual, plurissetorial, ponto de interrogação, ponto de vista, ponto e vírgula, pôr do sol, preestabelecer, presidente eleito, proativo, quase delito, quase equilíbrio, radiouvinte, reelaborar, residência funcional, residência oficial, reunião geral, sala de jantar, salário mínimo, semiárido, sequestro relâmpago, sinologia, sobreaquecer, sobreaquecimento, socioeconômico, subaquático, subchefe, subchefia, superaquecer, superaquecimento, tão só, tão somente, traje passeio.


Para fins de padronização, também as formas compostas por letras e números deverão ser escritas sem hífen: G20 (não G-20, nem G 20), assim como A380, A4, CMP11, COP22, 3D, E190, G4, G7, G8, G20, G77, etc.


Nos termos do AOLP, “emprega-se o hífen nos topônimos compostos, iniciados pelos adjetivos grã, grão ou por forma verbal ou cujos elementos estejam ligados por artigo”, como “Grã-Bretanha”, “Passa-Quatro”, “Baía de Todos-os-Santos”, “Trás-os-Montes”, enquanto “os outros topônimos compostos escrevem-se com os elementos separados, sem hífen”, como América do Sul, Belo Horizonte, Cabo VerdeN.

Escrevem-se em português sem hífen os países: “a Bósnia e Herzegovina”, “o Congo Brazzaville”, “o Congo Kinshasa”, “a Guiné Conakry”, “a Guiné Equatorial”, “a Papua Nova Guiné”, “Trinidad e Tobago”, etc. As únicas exceções, consagradas, são "Guiné-Bissau", "República Centro-Africana" e "Timor-Leste".

Da mesma forma, os nomes de cidades dispensam o hífen: “Andorra la Vella”; “Adis Abeba”; “Dar es Salaam”; “Hong Kong”; “Kuala Lumpur”; “Jerusalém Leste”, “Jerusalém Oeste”, “Nova Delhi”; “Nova York”; “Phnom Penh”; “Porto Príncipe”; “Saint George's” (capital de Granada); “Saint John's” (capital de Antígua e Barbuda); “Tel Aviv”; etc.


Uso de hífen



As regras de uso do hífen em vigor mantêm a obrigatoriedade nos seguintes casos:

a) em compostos iniciados por numeral ordinal - primeiro-ministro; segunda-secretária; terceiros-secretários; primeira-secretaria, primeira-dama, etc.;

b) em gentílicos - centro-africano; latino-americano; norte-americano; norte-coreano; sul-americano, sul-africano, sul-coreano, juiz-forano, cruzeirense-do-sul, etc.;

c) nos nomes de instituições e cargos compostos pelo adjetivo “geral” - Procuradoria-Geral; secretário-geral; subsecretário-geral; consulado-geral; cônsul-geral; coordenação-geral; coordenadora-geral; diretor-geral; relator-geral; ouvidor-geral, etc. (mas, como apontado acima, a expressão assembleia geral não leva hífen);

d) nos compostos com “ex-” ou “vice-” - ex-primeira-ministra; ex-vice-presidente; vice-cônsules; vice-consulado, etc.;

e) em postos da hierarquia militar: tenente-coronel, capitão-tenente. Atenção: nomes compostos com elemento de ligação preposicionado ficam sem hífen: brigadeiro do ar, general de exército, general de brigada, tenente-brigadeiro do ar; e

f) em cargos que denotam hierarquia dentro de uma empresa: diretor-presidente, diretor-adjunto, editor-chefe, editor-assistente, sócio-gerente, diretor-executivo (Manual da Secom do Senado).


Segue lista exemplificativa de expressões que mantêm o hífen, segundo o VOLP: abaixo-assinado, afro-asiático, afro-brasileiro, afro-luso-brasileiro, além-fronteiras, além-mar, alto-mar, anglo-saxão, anti-humanitário, anti-imperialista, bem-sucedido, bem-vindo, boa-fé, carro-bomba, centro-americano, cidade-estado, cidade-irmã, consulado-geral, cônsul-geral, conta-corrente, contra-almirante, decreto-lei, euro-asiático, estado-maior, estado-tampão, ex-primeiro-ministro, ex-vice-presidente, geo-história, indo-europeu, inter-hemisférico, inter-racial, inter-regional (mas intrarregional), inter-relação, latino-americano, livre-câmbio, livre-docência, livre-docente, livre-iniciativa, luso-brasileiro, má-fé, major-brigadeiro, mal-entendido, mal-estar, mal-humorado, mandato-tampão, matéria-prima, mesa-redonda, neo-ortodoxo, norte-americano, país-membro (pl. países-membros), pan-americano, pan-árabe, pan-hispânico, papel-moeda, para-brisa(s), porta-aviões, pós-graduação, pré-contrato, pré-escolar, pré-requisito, primeiro-ministro, primeiro-mundismo, primeiro-mundista, pró-americano, professor-assistente, recém-nascido, recém-nomeado, salário-família, salário-hora, secretaria-geral, secretário-geral, segundo-secretário, sem-número, sobre-humano, sub-humano, sub-reitor, subsecretário-geral, sul-africano, sul-coreano, tenente-brigadeiro, tenente-coronel, terceiro-mundista, terceiro-mundo, vice-almirante, vice-cônsul, vice-consulado, vice-presidente, vice-reitor.


Além disso, o Manual de Redação Oficial e Diplomática do Itamaraty também recomenda a manutenção do hífen nas expressões "acordo-quadro" e "ministro-conselheiro". Embora o Manual do Itamaraty considere aceitável a expressão "não-permanete", com hífen, recomenda-se evitar, nas publicações da FUNAG, o hífen em todas as expressões nas quais o "não" funciona quase como um prefixo (ver os exemplos de expressões sem hífen, neste verbete).


Os nomes em francês não aportuguesados são escritos com hífen uma vez que, naquela língua, o hífen em geral é obrigatório: “Porto-Novo” (capital do Benin); “Port-au-Prince” (nome francês de Porto Príncipe, capital do Haiti); “Saint-Georges-de-l'Oyapock”, etc.


Utiliza-se hífen para indicar a ligação de tempo entre dois termos:

O período junho-julho de 2004 não assistiu a um sucesso econômico tão surpreendente quanto o semestre anterior daquele ano.
Os resultados totalmente disponíveis do biênio 2003-2004 permitem aos cidadãos uma avaliação inicial consistente dos governos eleitos em 2002.

Também se utiliza hífen para indicar ligação de espaço entre dois termos; bem como para acordo, relação.

O acordo MERCOSUL-União Europeia.
O desenvolvimento econômico brasileiro se deu no sentido sul-norte.
A delicada situação mundial quanto ao processo de enriquecimento de urânio no Irã abala ainda mais as relações ocidentais-orientais.