Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > FUNAG > Institucional > Perfil do cargo de coordenador-geral de pesquisa do IPRI
Início do conteúdo da página

Perfil do cargo de coordenador-geral de pesquisa do IPRI

DO CARGO

Nome do cargo

Coordenador-geral de pesquisa do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais da Fundação Alexandre de Gusmão (IPRI/FUNAG)

Nível do cargo

FCPE 101.4

Órgão de atuação

IPRI/FUNAG

Requisitos Legais

Arts. 3º, 14 e 17 do anexo I do Decreto nº 10.099, de 6 de novembro de 2019 e art. 24 da Portaria nº 118, de 6 de dezembro de 2019, da FUNAG

DAS RESPONSABILIDADES

Principais responsabilidades

De acordo com o art. 24 da Portaria nº 118, de 6 de dezembro de 2019, cabe ao coordenador-geral de pesquisa do IPRI/FUNAG: I) planejar, coordenar e supervisionar a execução das atividades relativas à promoção de projetos e atividades do IPRI aprovados no programa de trabalho anual da FUNAG; II) elaborar relatórios e preparar proposta de atividades a serem submetidas à aprovação do diretor do IPRI; e III) assessorar o diretor do IPRI nos assuntos sob a sua competência.

Escopo de Gestão/Equipe de Trabalho

A atuação será gerencial e técnica e envolverá a coordenação-geral da equipe técnica do IPRI/FUNAG, com vistas ao alcance dos resultados e metas previstas para o IPRI, dentro do programa de trabalho anual da FUNAG.

O escopo da atuação do coordenador-geral envolve o planejamento, direção, coordenação e orientação para a execução das unidades sob sua coordenação-geral, bem como a capacidade para implementar outras atribuições que lhes sejam cometidas pelo diretor do IPRI/FUNAG.

DOS REQUISITOS DESEJÁVEIS

Formação e Experiência

Ser diplomata de carreira ou ser formado em relações internacionais, com especialização e conhecimento na realização de pesquisas e na organização de eventos. É um cargo privativo de servidor efetivo.

Competências

O coordenador-geral deverá ter perfil técnico e gerencial, liderança, proatividade, habilidade e competência em planejamento e gestão de projetos finalísticos.

As atitudes do coordenador-geral deverão ser pautadas pelos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (art. 37 da Constituição Federal), bem como ética e urbanidade.

registrado em:
Fim do conteúdo da página