Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Nova Política Externa > APRESENTAÇÃO DO MINISTRO DE ESTADO DAS RELAÇÕES EXTERIORES, EMBAIXADOR ERNESTO ARAÚJO, POR OCASIÃO DO 30º ANIVERSÁRIO DA EMBRAPA TERRITORIAL
Início do conteúdo da página

icone impressorasVersão para impressão

APRESENTAÇÃO DO MINISTRO DE ESTADO DAS RELAÇÕES EXTERIORES, EMBAIXADOR ERNESTO ARAÚJO, POR OCASIÃO DO 30º ANIVERSÁRIO DA EMBRAPA TERRITORIAL - CAMPINAS - SÃO PAULO, 30 DE MAIO DE 2019

Boa tarde,

ministra Tereza Cristina, ministro Fernando, ministro Ricardo Salles, deputado Alceu Moreira, em nome de quem saúdo todos os parlamentares presentes, secretário de Agricultura de São Paulo, Gustavo Junqueira, presidente da Embrapa, Sebastião Barbosa, chefe-geral da Embrapa Territorial, Evaristo Miranda, senhores oficiais generais, ex-ministros. Quero saudar de maneira especial Dom Luiz Philippe de Orléans e Bragança, em nome de quem saúdo todos os demais presentes.

É uma enorme alegria e uma enorme honra estar aqui nesta tarde. Minha primeira observação é de que, além de uma nova sala de situação, a Embrapa Territorial precisa de um novo auditório para acomodar toda a enorme atenção que, justamente, ela atrai.

A Embrapa, como todos os senhores sabem, ao longo desses 46 anos, tem sido uma instituição central na transformação do Brasil. Passamos de importador líquido de alimentos dos anos 70 a um dos celeiros do mundo. E se nós temos hoje essa ação, como temos, de transformar o Brasil em um dos grandes do mundo, em uma potência em escala mundial, uma potência trabalhando pela democracia, pela liberdade, pela dignidade humana, isso não seria possível sem o agro, sem essa base do agronegócio, onde o Brasil já é uma potência mundial. Esperamos que, com novas Embrapas, novas ideias, novos esforços como esse, nós consigamos realmente alcançar esse sonho.

Agradeço muito ao doutor Evaristo por ter mencionado a iniciativa que nós tivemos da criação do Departamento do Agronegócio, de Promoção do Agronegócio dentro do Itamaraty, isso é parte de um esforço de concatenação de todo o governo brasileiro. No Itamaraty, que tem interface com praticamente todas as áreas do governo, nós procuramos que haja um perfeito encaixe, uma perfeita coordenação, através de diferentes áreas do Itamaraty, com todas as áreas do governo, mas o Agro realmente tem um caráter fundamental e está muito presente no nosso coração, de todos os diplomatas brasileiros e do Itamaraty. Isso também é simbolizado pela presença, aqui, de quatro ministros da equipe, esse esforço extraordinário que o presidente Jair Bolsonaro tem tentado implementar, e conseguido, de criar um governo que trabalhe em equipe, que trabalhe com uma estrutura harmônica. Isso a gente sabe que não é fácil no Brasil, não é, infelizmente, a tradição do Brasil. Não por falta de tentar, mas acho que, finalmente, nós estamos conseguindo ter esse caráter de um governo que trabalha em equipe, isso é também fundamental para as transformações que incumbem a todos nós.

Quero mencionar de maneira muito especial, que nessa semana, essa minha presença aqui muito me honra. Ontem, estive na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados e [tive ocasião] de dizer a um deputado que recordava que, pelo menos nas últimas duas ou três legislaturas, é a primeira vez que um ministro das Relações Exteriores fala na Comissão de Agricultura. Tenho tido um diálogo muito frequente com a frente parlamentar do agronegócio, presidida pelo deputado Alceu Moreira, [com quem] mantenho contato frequente. Enfim, para mencionar o que isso representa, eu sou muito grato por isso, representa que o Itamaraty se sente acolhido por essa extraordinária comunidade do agro, e estamos muito honrados de fazer parte dessa comunidade tão bem representada aqui.

No caso da Embrapa territorial, que hoje completa seus gloriosos primeiros 30 anos, é fundamental mencionar que ela cumpre, de maneira extraordinária, a sua missão de gerar dados, de gerar informações sobre o uso e ocupação de terras no Brasil, garantindo a competividade, a sustentabilidade da agricultura, da pecuária brasileira. Nós vemos que a informação é a alma da diplomacia, e portanto a informação sobre a agricultura brasileira é a alma dessa diplomacia do agro que nós estamos tentando implementar, em coordenação direta e estreita com o Ministério da Agricultura e com todas as outras esferas, Ministério do Meio Ambiente, Defesa, que têm interface com esse trabalho. Esses dados, esse trabalho todo gerado pela Embrapa Territorial é fundamental para levar ao mundo o retrato fiel do nosso agro e defender os interesses de todos os senhores ao redor do mundo, e saber [das] percepções que, às vezes por ignorância, às vezes por interesse, prevalecem em outros países, percepções distorcidas sobre o agronegócio brasileiro.

Ao visitar a sala de situação que vai ser inaugurada, tive a ideia de ter uma sala de situação também no Itamaraty, para que nós tenhamos visões estratégicas de tudo que está acontecendo nos nossos quase 200 postos ao redor do mundo, nossas embaixadas e consulados, e ver se realmente estão trabalhando pela agricultura brasileira, e tenho certeza que estão. Mas, além de informação, acho que a Embrapa Territorial usa a inspiração, uma coisa também fundamental para o nosso trabalho. E aqui entra de maneira muito especial o trabalho do doutor Evaristo, que, com a sua amizade, com seu entusiasmo, foi fundamental para mim, para mudar minha visão, para aprofundar minha visão, minha percepção sobre o agro brasileiro e isso permanece como fonte permanente de inspiração e de ideias para o nosso trabalho, não só para mim, mas acho que para todo o governo brasileiro. O presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, nas várias reuniões bilaterais que ele manteve durante o Fórum em Davos, com países, sobretudo países europeus, sempre entregava uma cópia do livro do Dr. Evaristo sobre o caráter sustentável da agricultura brasileira. Isso é um documento fundacional para mostrar a realidade do nosso agronegócio, um instrumento fantástico para a nossa ação diplomática. A atuação de toda a Embrapa e da Embrapa Territorial, portanto, no exterior, também, como lembrava o presidente da Embrapa, é fundamental para a nossa cooperação técnica e incumbe à Agência Brasileira de Cooperação do Itamaraty, transferindo, adaptando tecnologias agrícolas nacionais para a realidade de diferentes países.

Esses dias mantive também uma reunião com todos os embaixadores africanos em Brasília para celebrar o dia da África e para debater com eles ideias de cooperação e as ideias de cooperação de tecnologia agrícola surgiram sempre como um ponto central. É fundamental que o Brasil e o mundo, sobretudo o mundo, no nosso caso o congresso, reconheçam e valorizem cada vez mais as características, ao mesmo tempo eficientes e sustentáveis da agricultura brasileira. Que valorizem, por exemplo, o Cadastro Ambiental Rural, o efetivo monitoramento por satélite e georreferenciamento do uso e ocupação da terra no Brasil, que valorizem os projetos de manejo integrado lavoura, pecuária e floresta. Conheçam e valorizem, também, o fato de que apenas 30% do nosso território é utilizado para produzir alimentos, e nada mais nada menos do que 60% do território se mantém com vegetação nativa original. Isso aprendi também no período de transição, com o doutor Evaristo. Não acreditei quando vi esses dados. Isso é pouco conhecido no Brasil, menos ainda no exterior, então a gente tem o orgulho de levar esses dados e informações ao redor do mundo. O Brasil precisa realmente atuar como a potência agrícola que é, e isso está sendo feito pela ministra Tereza Cristina, pelo Itamaraty, pelo Ministério da Defesa, pelo Ministério do Ambiente. Todos nós, em conjunto, temos consciência disso e procuramos atuar nesse sentido, nesse esforço.

Nós promovemos o avanço das negociações, em benefício do agronegócio brasileiro, tanto multilaterais quanto bilaterais. Procuramos remover barreiras. Procuramos criar ambiente competitivo favorável às nossas exportações. Procuramos impulsionar o acesso aos mercados, uniformização de procedimentos sanitários e fitossanitários. Estamos aprofundando a participação do Brasil na OMC e em outras entidades e organizações macro, inclusive na OCDE, como os senhores sabem, estamos a um passo de começar o nosso processo de adesão, enfim, em todas essas frentes levamos com muito orgulho, com muita convicção a mensagem do agro brasileiro.

Queria, finalmente, dizer que o Itamaraty está pronto a ser parte integrante e entusiasmada dessa comunidade do agronegócio. Parabéns a todos.

Muito Obrigado.

registrado em:
Fim do conteúdo da página