Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Revolução pernambucana é tema de palestra-debate no auditório da FUNAG
Início do conteúdo da página

Revolução pernambucana é tema de palestra-debate no auditório da FUNAG

Pernambucanas

A Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) e o Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (IPRI) realizaram em 3 de abril, no auditório Paulo Nogueira Batista, a palestra-debate “As Ideias das Revoluções Pernambucanas do século XIX: 1817, 1824 e 1848”, com o professor titular no Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB), Vamireh Chachon, e os embaixadores Gonçalo Mourão, autor do livro “A Revolução de 1817 e a História Diplomática do Brasil”, e Tarcísio Costa, diretor do Departamento da América do Sul e Ocidental das Relações Exteriores. Os debates foram conduzidos pelo presidente da FUNAG, e o diretor do IPRI, Ministro Paulo Roberto de Almeida.

O presidente da Fundação iniciou o debate saudando os convidados e ressaltando a importância das revoluções pernambucanas para o País. O professor Vamireh Chacon, doutor pela Faculdade de Direito da Universidade do Recife e professor emérito da Universidade de Brasília (UnB) desde 2005, destacou que as revoluções pernambucanas não foram movimentos separatistas e sim de autonomia, nacional e regional, e de organização política nacional. Ressaltou ainda a importância da participação dos brasileiros na expulsão dos holandeses e como as revoluções foram importantes para o despertar da consciência nacional brasileira.

Já o embaixador do Brasil junto à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Gonçalo Mourão, abordou as revoluções pernambucanas dentro do viés diplomático, além de considerar o fato histórico como o ponto inaugural da questão diplomática no País. Afirmou também que o acontecimento provocou reações internacionais e alcançou bons resultados diplomáticos durante a revolução. O embaixador Tarcísio Costa, professor de Pensamento Político Brasileiro no Instituto Rio Branco, traçou amplo panorama das principais ideias vigentes no Brasil na primeira metade do século XIX, com todas as implicações em termos de formação política nacional.

A obra “A Revolução de 1817 e a História Diplomática do Brasil” pode ser baixada gratuitamente na biblioteca digital da FUNAG.

 

Fotos: Thiago Santos

registrado em:
Fim do conteúdo da página