A FUNAG publicou os seguintes livros em 2021:

História da formação das fronteiras do Brasil

Autor: Álvaro Teixeira Soares
Ementa: Editado originalmente por ocasião dos 150 anos da Independência do Brasil, o livro analisa a conformação de toda fronteira brasileira, com capítulos sobre o imperialismo inglês e francês na Amazônia brasileira, a demarcação das fronteiras com as então Guianas francesa, holandesa e inglesa, bem como sobre as fronteiras com Venezuela, Colômbia, Peru, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai. Teixeira Soares também discorre sobre o aproveitamento hidroelétrico dos rios; sobre o mar territorial e sua exploração; e sobre “fronteira lateral marítima”, tema ligado às nossas ilhas no Atlântico.

A diplomacia dos bancos centrais: renovação versus anacronismo no Banco de Compensações Internacionais (BIS)

Autor: Davi Augusto Oliveira Pinto
Ementa: Instituição financeira internacional mais antiga do mundo, o Banco de Compensações Internacionais (BIS) permanece relativamente desconhecido. Quem controla o chamado “banco central dos bancos centrais”? O que leva os principais banqueiros centrais do mundo a participarem regularmente de reuniões reservadas em uma bucólica cidade suíça? Para que servem os Acordos de Basileia? Por que a célebre conferência de Bretton Woods determinou a extinção do BIS? Houve colaboração entre a entidade e o regime nazista? Como a criação do Banco Central Europeu contribuiu para o ingresso do Brasil no BIS?

Essas e outras questões são desvendadas neste livro, que, com base em inédita pesquisa nos arquivos do BIS, relata os esforços do organismo para permanecer relevante face a constantes mudanças ao longo das últimas nove décadas. O trabalho avalia a crescente participação do Banco Central do Brasil na instituição – um brasileiro ocupa desde 2015 o segundo cargo mais elevado na hierarquia burocrática do BIS – e examina implicações para a atuação do Itamaraty no contexto mais amplo da política externa Brasileira.

O tratamento do bem-estar animal na política externa brasileira : de preocupação social a necessidade econômica

Autor: Paula Aguiar Barbosa
Ementa: O tratamento do bem-estar animal tem atraído cada vez mais interesse na esfera das relações internacionais por ser um dos parâmetros utilizados por mercados mais exigentes na aquisição de produtos de origem animal. Para o Brasil, segundo maior fornecedor mundial de alimentos e um dos líderes na exportação desses produtos, o tema reveste-se de particular importância. Neste livro, a autora apresenta breve perspectiva histórica sobre o surgimento e a evolução dos conceitos de proteção e bem-estar animal no Brasil e no mundo; avalia a atuação diplomática e técnica do governo em foros internacionais; sugere recomendações para a política externa brasileira, de modo a habilitar o país a influenciar o debate internacional e a manter-se na liderança do comércio mundial de produtos cárneos.

Diplomacia do Império no Rio da Prata (até 1865)

Autor: Álvaro Teixeira Soares
Ementa: A Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) lança 2ª edição da obra Diplomacia do Império no Rio da Prata (até 1865), do diplomata Álvaro Teixeira Soares. Publicada originalmente em 1955, a obra há muito estava esgotada e era pouco acessível aos leitores.

Teixeira Soares apresenta no livro visão panorâmica sobre a atuação brasileira na bacia do Prata do período colonial até o início da Guerra do Paraguai (1864-1870) e contesta a historiografia revisionista que buscava atribuir ao Império do Brasil a culpa pelo começo desse conflito internacional, ao expor a teia de interesses de Paraguai, Argentina e Brasil na disputa entre colorados e blancos no Uruguai.

O autor também traça perfis de estadistas da época ­– ponto alto da obra –, como do Presidente uruguaio Bernardo Berro e do Visconde do Rio Branco, e faz comparações entre os líderes argentinos Juan Manuel Rosas e Domingo Sarmiento e entre os presidentes paraguaios Carlos Antônio López e seu filho, Francisco Solano López.

O drama da Tríplice Aliança (1865-1876)

Autor: Álvaro Teixeira Soares
Ementa: Teixeira Soares descreve a Guerra do Paraguai (1864-1870), também denominada de Guerra da Tríplice Aliança, como o período "mais belo, mais movimentado, mais soberbo da diplomacia brasileira". O livro abrange a condução da guerra e a posterior construção da paz, processo complexo que quase levou a uma forte tensão entre Brasil e ArgentinaO diplomata também traça perfis dos atores principais da crise, como o Visconde do Rio Branco e do Barão de Cotegipe, em suas respectivas missões ao Prata representando o Brasil, e de Carlos Tejedor e Bernardo de Irigoyen, ministros das Relações Exteriores argentinos.

O autor também traça perfis de estadistas da época ­– ponto alto da obra –, como do Presidente uruguaio Bernardo Berro e do Visconde do Rio Branco, e faz comparações entre os líderes argentinos Juan Manuel Rosas e Domingo Sarmiento e entre os presidentes paraguaios Carlos Antônio López e seu filho, Francisco Solano López.